Acompanhe nas Redes Sociais

7 News:

Notícias

O Brasil Que Dá Certo: Forças Especiais dos EUA querem os nossos Tucanos

Publicado

on

Depois da bem sucedida experiência da Força Aérea dos Estados Unidos (United States Air Force – USAF) com nosso avião Tucano no Afeganistão, chegou a vez das Forças Especiais americanas.

Semana passada o website do programa de aquisições de material bélico do governo dos EUA (beta.sam.gov) noticiou o desejo do SOCOM (Special Operations Command) de comprar 75 unidades do A-29 Tucano, fabricado pela nossa EMBRAER.

As aeronaves serão inicialmente estacionadas na base da força aérea de Nellis, em Las Vegas, estado de Nevada, para testes, treinamento e desenvolvimento de táticas operacionais, além de padrões de interoperabilidade com países aliados em missões de ataque leve (light attack).

Além disso, o SOCOM desenvolverá um programa de instrução de pilotagem dos turboélices, já que todos os militares integrantes das Forças Especiais americanas precisam operar e pilotar todos os tipos de equipamentos, terrestres, aéreos, marítimos e fluviais para executar operações 24h por dia em tempo real ao redor do mundo, especialmente missões altamente secretas.

Nosso Tucano A-29 é o avião ideal para ataques leves contra tanques e blindados e assistência a tropas em solo, voando mais lento do que um jato, mas nem por isso menos letal com suas metralhadoras .50 e carga de mísseis embarcados.

Este é o Brasil Que Dá Certo !

Na foto, um Embraer A-29 Super Tucano com pintura ‘shark’ no nariz e tanques externos de combustível extra.

Continue lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Com motim de PMs, Ceará já registra 170 homicídios, média de 6 por dia. 10 batalhões ocupados

Publicado

on

Estado recebeu reforço da Força Nacional e Forças Armadas. Policiais militares do estado fazem motim por aumento salarial.

O Ceará registrou o período mais violento do ano na última quarta-feira 19/02. Das 0h às 23h59, foram 29 assassinatos no estado, conforme a Secretaria Estadual de Segurança Pública. O recorde das mortes ocorre em meio ao motim dos policiais e bombeiros militares do estado por aumento salarial.

De 1º de janeiro a 18 de fevereiro deste ano, a média no Ceará foi de seis homicídios por dia. Até então, a data mais violenta do ano tinha sido 18 de janeiro, quando ocorreram 17 crimes violentos letais.

A violência, no entanto, continuou no Ceará. Na madrugada desta sexta-feira, foram registrados pelo menos mais dois assassinatos. No Bairro Vicente Pinzón, em Fortaleza, um adolescente de 16 anos foi surpreendido por cerca de sete homens que estavam a bordo de várias motocicletas e foi morto a tiros. No Bairro José Walter, um tiroteio em uma praça deixou uma pessoa morta e outra ferida.

Na noite de quinta-feira, após reunião entre representantes dos policiais e comissão de senadores, os policiais militares que participam do movimento decidiram recusar proposta do governo para chegar a um acordo do fim da paralisação. “Mas nós vamos continuar aqui (no quartel) com a decisão da maioria da categoria e nós só estamos aqui para obedecer o que a maioria decidiu”, disse o ex-deputado Cabo Sabino, um dos representantes do movimento.

Já nesta sexta-feira, um grupo de homens encapuzados fechou a unidade que abriga a base da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) e do Batalhão de Ronda e Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio) em Sobral. Segundo o coronel Colares, comandante do 3º Batalhão de Policiamento de Sobral, os homens secaram os pneus de carros e motos da polícia que estavam na unidade.

Violência no Ceará

Veículo bateu em muro após mulher ser baleada em latrocínio em Fortaleza — Foto: Rafaela Duarte/SVM
Veículo bateu em muro após mulher ser baleada em latrocínio em Fortaleza — Foto: Rafaela Duarte/SVM

Veículo bateu em muro após mulher ser baleada em latrocínio em Fortaleza — Foto: Rafaela Duarte/SVM

Em um dos crimes ocorridos nesse período, Maria de Paula Moura foi vítima de latrocínio no Bairro Edson Queiroz, em Fortaleza, na noite de quarta-feira.

Conforme a Secretaria da Segurança Pública, policiais amotinados realizam atos de “vandalismo”, furando pneus de veículos da Polícia Militar para tentar impedir o trabalho dos demais policiais militares.

Em um momento crítico da crise, o senador licenciado Cid Gomes foi baleado no peito quando tentou entrar com uma retroescavadeira em um batalhão onde policiais estavam amotinados em Sobral. Cid recebe atendimento em hospital particular de Fortaleza e não corre risco de morrer, conforme familiares.

Na terça-feira, três policiais foram presos suspeitos de furarem pneus de carros da Polícia Militar. No terceiro dia de motim dos policiais, pelo menos cinco batalhões da PM foram invadidos e tiveram os pneus esvaziados ou rasgados.

A proposta do governo é aumentar o salário de um soldado da PM dos atuais R$ 3,2 mil para R$ 4,5 mil, em aumentos progressivos até 2022. O grupo de policiais que realiza as manifestações reivindica que o aumento para R$ 4,5 mil seja implementado já neste ano.

Reforço na segurança

Como reação ao motim dos policiais, o governador do Ceará, Camilo Santana, determinou que policiais civis fizessem patrulhas nas ruas.

O Governo Federal atendeu a pedido do governador e enviou tropas das Forças Armadas e Força Nacional para reforçar a segurança no estado.

O envio de tropas do Exército ocorre por meio da implementação da Garantia da Lei e da Ordem (GLO). Conforme o Ministério da Defesa, a aplicação da Garantia da Lei e da Ordem ocorre “nos casos em que há o esgotamento das forças tradicionais de segurança pública” e em “graves situações de perturbação da ordem”. Nesses casos, é concedido a militares das Forças Armadas o “poder de polícia até o restabelecimento da normalidade”.

Motim em batalhões no Ceará — Foto: Aparecido Gonçalves/G1

Motim em batalhões no Ceará — Foto: Aparecido Gonçalves/G1


Continue lendo

Notícias

7 dicas para aproveitar ao máximo o HDR da câmera do seu smartphone

Publicado

on

Quase todos os smartphones já disponibilizam o modo HDR, para melhorar o resultado final das fotografias.

O HDR (High Dynamic Range) alcance dinâmico ou faixa dinâmica das câmaras significa um alto contraste entre as partes mais claras e mais escuras de uma imagem e é, normalmente, muito menor do que o olho humano. Para tentar melhorar esse aspecto, algumas técnicas foram criadas para ampliar este alcance das imagens digitais, como é o exemplo do HDR.

De uma forma muito resumida, este modo tem como objetivo obter o maior alcance dinâmico possível com a câmara do seu smartphone, tentando melhorar as luzes e sombras.

Para que vocÊ possa usufruir ao máximo do HDR, apresentamos sete (7) dicas para a melhor utilização deste sistema.

Sem modo automático

O modo automático do HDR ajuda a que todos aqueles que não possuem grande conhecimento fotográfico não precisem de pensar muito ao decidir quando usar ou não este modo. Contudo, em alguns smartphones os modos automáticos nem sempre são bem ajustados, Nesses casos, o HDR poderá ser utilizado quando não é necessário o que dará à foto um aspeto mais irreal do que deveria.

Em geral, sempre que possível, é aconselhável usar o modo HDR manualmente, Por exemplo, quando se tirar uma fotografia em contraluz (ou outros tipos de grande contraste de luz), na maioria dos casos será necessário utilizar este modo.

Testar primeiro sem HDR

Por vezes, para se conseguir uma excelente fotografia, o melhor mesmo é parar um pouco para poder experimentar vários modos. Experimente primeiro tirar uma foto sem HDR. Em seguida, poderá verificar se a faixa dinâmica é adequada ou não e assim decidir se é necessário ativar este modo.

O alcance dinâmico é a capacidade da câmara capturar os detalhes nas luzes e sombras da mesma imagem. Ou seja, se se tirar uma fotografia normal e se perceber que uma área é mais escura ou mais clara para o seu gosto, saberá que a faixa dinâmica do smartphone não é suficiente e poderá usar o HDR.

Não exagerar no efeito do HDR

Existem aplicações como a Snapseed (editores de fotos) que têm a possibilidade de sombrear ou aumentar o efeito e a intensidade do HDR.

Se colocar no máximo, acabará por obter uma imagem mais imperfeita ou irreal do que deveria.

O foco automático pode ajudar

Independentemente de se utilizar o modo HDR automático ou apenas o ativar manualmente, há um pequeno truque que o poderá ajudar algumas vezes. Como já referimos, existem smartphones onde o HDR é mal ajustado, podendo originar uma foto muito clara ou queimada.

O truque neste caso é tocar na parte inferior do ecrã para que este analise novamente a imagem e ajuste a exposição de luz. Pode resultar na maioria dos casos, por exemplo, tocar nas áreas mais iluminadas para que o smartphone tome como referencia essa luz e aumente as sombras com o HDR.

Salvar sempre a foto original

Algumas câmara de smartphone permitem tirar duas fotografias ao mesmo tempo, onde uma é apresentada com HDR e outra sem este modo ativo. Normalmente estes dispositivos guardam a foto original para que se possa analisar no fim qual a preferida. Se o seu smartphone tiver a possibilidade de guardar as fotos originais, é recomendado que esteja sempre ativo.

Deste modo, sempre que for preciso poderá recuperar a foto “original”, ou seja, sem o modo HDR, para poder comparar e decidir qual delas gosta mais sem ter de tirar nova fotografia. Isto é especialmente útil quando não se tem tempo para andar a tirar várias fotos ativando e desativando o modo HDR.

Desativar o HDR à noite

O HDR e as fotografias noturnas dificilmente se dão bem, por isso é que geralmente é melhor não usar este modo à noite. Se o utilizar, é facil para o smartphone aumentar as aquarelas como forma de exposição. Isso significa que os detalhes serão perdidos nos objetos que aparecem nas fotografias e que as bordas poderão ficar indefinidas ou borradas, como se esta estivesse pintada.

Existem smartphones com uma boa qualidade HDR à noite, como o Google Pixel, mas se não tiver um dispositivo de última geração o melhor será mesmo esquecer este tipo de fotos.

Smartphone estabilizado e sem objetos em movimento

De modo a formar uma fotografia HDR, o seu smartphone capta várias fotos para obter um resultado final. Na maioria dos casos, tirar fotos com objetos em movimento de fundo é sempre difícil mesmo durante o dia. Numa foto HDR esta dificuldade acaba por ser maior.

Ou seja, num caso que tenha de tirar uma foto com elementos em movimento o melhor é esquecer o modo HDR. Por outro lado, será sempre mais fácil para estes casos ter o smartphone o mais estável possível de modo a melhorar o efeito final, não descartando a ideia de usar até mesmo um tripé.

Aplique estas dicas nas suas fotografias e verá que conseguirá atingir melhores resultados no seu smartphone.

Fonte: pplware.sapo.pt

Continue lendo

Notícias

Os 12 cargos de TI mais difíceis de serem preenchidos nas empresas

Publicado

on

Pesquisa State of the CIO 2020 revela que as organizações lutam para preencher as funções de cibersegurança, ciência de dados e IA (Inteligência Artificial).

Com a chegada de uma nova década, os CIOs (Chief Information Officers) estão assumindo maior responsabilidade por tarefas estratégicas de negócios, incluindo aquelas relacionadas à segurança cibernética, ciência e análise de dados e aprendizado de máquina e inteligência artificial. Com essa maior responsabilidade, surgem desafios operacionais – incluindo o recrutamento e a contratação de talentos com as competências necessárias para avançar nas iniciativas estratégicas.

A pesquisa da CIO (EUA), que entrevistou 679 diretores de TI e 250 líderes de TI de linha de negócios, revelou que aumentar a eficiência operacional e melhorar a experiência do cliente são as iniciativas mais importantes que impulsionarão o investimento em TI neste ano. Essas prioridades foram citadas por 37% e 35% dos líderes de TI, respectivamente. Aumentar as proteções de segurança cibernética (33%), transformar os processos de negócios (30%) e melhorar a lucratividade (24%) também integram a lista de prioridades.

Essas mudanças estão ditando novas demandas por talentos. O que permanece o mesmo, no entanto, é que a competição por profissionais qualificados continua aumentando, principalmente em áreas como cibersegurança, segundo John McKnight, vice-presidente executivo de serviços de pesquisa do Enterprise Strategy Group.

Embora a ciência e a análise de dados permaneçam escassas, as habilidades em cibersegurança ocuparam o primeiro lugar na pesquisa deste ano, com 39% dos líderes de TI prevendo dificuldade em encontrar talentos neste ano, ante 33% em 2019. Outras mudanças notáveis: o design thinking, o DevOps e as habilidades ágeis são todos percebidos como desafios crescentes para contratação no próximo ano, em parte por conta da abordagem de concentração em produto e cliente.

Confira as 12 áreas que serão mais desafiadoras para encontrar talentos em 2020:

  • Cibersegurança: 39%
  • Ciência de dados / análise: 35%
  • IA / aprendizado de máquina / RPA: 31%
  • Serviços / integração em nuvem: 18%
  • Tecnologias herdadas: 18%
  • DevOps / DevSecOps / processos ágeis: 17%
  • Internet das Coisas: 17%
  • Arquitetura em Nuvem: 16%
  • Design Thinking / UX: 16%
  • Engenharia de Software: 15%
  • Desenvolvimento de Aplicativos: 15%
  • Gerenciamento Multi Cloud: 15%

A importância da flexibilidade e da experiência dos funcionários

A segurança continua sendo uma prioridade crítica para os CIOs, ressalta Meerah Rajavel, CIO da Citrix. Isso ocorre porque, em um mundo de nuvens híbridas, trabalho remoto, BYOD e outras tecnologias que ampliam os limites da rede de uma empresa, são necessários mais recursos para garantir que as redes, dados e ativos permaneçam protegidos.

“É difícil encontrar candidatos de alta qualidade nas áreas de segurança, design thinking e experiência do usuário, ciência de dados e análise”, diz Rajavel. “Quando se trata de design thinking, o paradigma está mudando do pensamento centrado no usuário para o pensamento humano mais máquina. Isso requer que os designers sejam versados ​​com as construções da possibilidade de inteligência artificial e aprendizado de máquina e análise, além da experiência do usuário em seu processo de design de fluxo de trabalho. E essa é uma habilidade que não está amplamente disponível.”

Para ajudar a preencher essas funções, a Citrix tem procurado além dos principais centros de tecnologia e está permitindo um trabalho mais flexível e remoto, segundo Rajavel, além de oferecer salários e benefícios competitivos e uma cultura positiva e diversificada.

“Analisamos a experiência dos funcionários como todas as interações que ele mantém com a empresa durante toda a sua carreira conosco – a partir do momento em que se interessa por uma função. Nós nos esforçamos para criar um ambiente positivo onde as pessoas possam estar e fazer o seu melhor”, acrescenta.

Encontrar ‘agentes livres’

A NTT Data Services também está sentindo o aperto quando se trata de habilidades de segurança. Mas a empresa de gerenciamento de serviços de TI também está encontrando dificuldades para obter talentos em experiência do cliente.

“A segurança é incrivelmente desafiadora para empresas globais por conta das complexidades e diferentes regulamentos”, explica o CIO Barry Shurkey.

Para ajudar a preencher essas funções, a NTT Data Services está olhando para dentro, trabalhando com um aplicativo que permite que os funcionários descubram oportunidades em toda a empresa e se candidatem para essas funções. Tudo faz parte de um esforço para ajudar a promover talentos já existentes.

O poder da inclusão e do aumento de qualificação

Cientistas de dados, engenheiros de dados, profissionais de segurança e desenvolvedores são as funções mais desafiadoras para James McGlennon, vice-presidente executivo e CIO do Liberty Mutual Insurance Group.

O ditado de que “toda empresa é uma empresa de tecnologia” significa que as funções técnicas são consideradas mais críticas do que nunca, apesar da falta de talento. Com uma concorrência tão acirrada por recursos limitados, McGlennon está se concentrando no recrutamento e contratação de uma ampla variedade de experiências e perspectivas para ajudar a preencher essas posições. E ele está apoiando essa abordagem, oferecendo amplas oportunidades de aprimoramento e capacitação.

“Não consigo pensar em um único aspecto de nossos negócios em que a tecnologia não esteja se tornando o principal mecanismo de crescimento, e nosso pessoal é essencial para entendermos nossos clientes, fornecermos um melhor serviço e competirmos.”

McGlennon acredita que atrair candidatos com uma ampla gama de experiências e perspectivas pode criar um ambiente de trabalho aberto e inclusivo – o que é necessário para obter sucesso nos próximos anos.

Para preencher as lacunas de competências, o Liberty Mutual oferece uma variedade de programas, incluindo módulos de aprendizado on-line, conferências e reuniões, aprendizado em sala de aula e opções imersivas para aperfeiçoamento. Além disso, a companhia patrocina e participa de diversas conferências e eventos de TI para se conectar e recrutar talentos em potencial.

Aliviando a pressão com a Tecnologia

Na BMC Software, o CIO Scott Crowder está usando a automação para ajudar a aliviar a pressão para preencher determinadas funções de TI, especialmente na área de big data e ciência de dados.

“Estamos tentando desenvolver e usar nossas plataformas de tecnologia e serviços para minimizar a necessidade desses tipos de funções”, revela Crowder. “Com os recursos em constante evolução ​​e o aumento do uso da tecnologia para criar, analisar e visualizar esses modelos de dados, isso nos dá uma margem para lidar com as dificuldades pela falta de talentos com essas habilidades.”

Embora Crowder reconheça a necessidade de os seres humanos interpretarem e coletarem dados, é possível ajudar os profissionais, “desviando parte do trabalho para a tecnologia”, especialmente onde a automação pode ser implantada.

Fonte: cio.com.br

Continue lendo

Tendências

Copyright © 2020 - 7ports.com.br